22 de ago de 2014

Proibido o aplicativo Secret no Brasil?

Censura, sensacionalismo, abuso de poder, vão dizer até que os poderosos não querem que a verdade seja dita. Talvez seja tudo isso mesmo, mas pessoas que sabem se expressar, digo com educação, respeito e bom senso, não precisam de anonimato. Talvez seja esse o motivo de um aplicativo como o Secret sofrer represarias no Brasil.
Segundo o G1 (por Paulo Figueiredo Para o TechTudo, no dia 21/08/14)”Um juíz do Espírito Santo determinou, na última terça-feira (19), a retirada do Secret das lojas AppStore e GooglePlay e Cryptic (genérico do app) da Windows Phone Store. Além disso, ordenou que as fabricantes Apple, Google e Microsoft deletem o app individualmente de cada celular em que está instalado.” Segundo o site de notícias “ o estopim do conflito foi a entrada de mensagens difamatórias incentivando o chamado "cyberbullying", e tirando proveito das facilidades oferecidas pelo anonimato da rede para ofender e expor outras pessoas.
E não adianta ficar chateado com a notícia pois afinal qualquer que seja ameaçado, difamado ou que tenha sua privacidade invadida vai querer se defender.
Poder manifestar uma ideia ou uma opinião anonimamente é uma oportunidade que estamos perdendo por falta de saber como utilizar. Ainda confundimos internet e virtualidade com irrealidade. Poucos ainda têm a consciência de que atitudes ruins, ou até mesmo crimes, são ruins dentro ou fora da rede. Ainda têm muita gente tentando se proteger por traz da rede para fazer ou dizer o que não pode pessoalmente. Ameaçar ou ofender alguém não é uma expressão, mas um crime que tem diversas causas e consequências e entre elas estão a fala de educação e a perda da liberdade.
Quantos sites e blogs promovem enquetes diversas? Quantos jornalistas apresentam suas ideias e criticas sobre as notícias apresentadas por eles ou não? Quantos blogueiros e internautas descrevem suas opiniões e muitas vezes fazem denúncias? Quantas dessas pessoas precisou se valer do anonimato para ameaçar, caluniar ou difamar alguém?
O anonimato é importante e útil em muitas questões. Pode ser utilizado para combater a corrupção e denunciar crimes, irregularidades administrativas ou políticas, como acontece em diversos disques denúncias e ouvidorias. Agora faço uma última pergunta: alguém utilizou o anonimato do Secret ou de qualquer outra ferramenta para denunciar um corrupto?
Expressão é diferente de agressão. Opinião não precisa de palavrão e denunciar não é ameaçar. Temos muito que aprender sobre liberdade antes de sermos realmente livres. Talvez até fosse preciso ocultar minha identidade para dizer, tão trisque que é, que ainda não estamos prontos para o anonimato.

31 de jul de 2014

Quanto menos calorias mais créditos pra gastar

Ações inteligentes e inovadoras que promovem muito mais do que os milhões gastos em salários dos famosos ou em vídeos com superproduções e veiculações infinitamente caras. A Nike sai na frente novamente no quesito criatividade. As “vending machines” de produtos simples, como camisetas, bonés e meias, são a nova sensação de Nova York. Elas só aceitam como pagamento os pontos adquiridos por perca de calorias na pulseira  NikeFuel.
Essa ação acumula diversos valores ao produto, chama a atenção de jornalistas, blogueiros e muitos outros. A simples “justificativa” de que a marca quer incentivar os cidadão da cidade a perderem peso e terem uma vida mais saudável já promove a marca e agrega valor ao produto relacionado, isso sem falar no estímulo às vendas, quem não vai querer comprar uma camiseta Nike em uma dessas máquinas em Nova York e pagar com calorias perdidas?
Como no Brasil o NikeFuel tem um preço relativamente muito alto, o produto não pegou por aqui, o que torna bem mais difícil a possibilidade de um dia encontrar uma máquina como essa na Av. Paulista.

11 de jul de 2014

Brasil x Alemanha com 10% de desconto em cada gol sofrido??

Existem estratégias de marketing muito “bem boladas” mas que nem sempre são BEM PLANEJADAS. Não é preciso ser especialista em planejamento para saber que não houve análise de riscos e ameaças no plano de marketing feito pela empresa citada em uma matéria do G1, que, antes da partida Brasil x Alemanha, ofereceu 10% de desconto em cada gol sofrido pelo time da casa... e nem precisamos lembrar qual foi o resultado. Segundo o portal de notícias “a empresa teve de dar desconto de 70%, mas logo depois do fim do jogo, o site da Lote 42 saiu do ar – e recebeu muitas reclamações de clientes por meio do Facebook da empresa. A empresa, então, reativou uma página antiga para fazer a promoção de 70%.”
Oportunidades sempre podem ser criadas, mas nunca podemos descartar os riscos que essas oportunidades trazem em cada cenário.
Outro exemplo desse tipo de ação foi o das Casas Bahia que na “Promoção em dobro” oferecia, para quem comprasse antes um determinado produto, uma TV de 50 polegadas por apenas um real se o Brasil fosse campeão. Mesmo não perdendo lucro na venda de um produto de alto valor por preço mínimo, uma campanha como essa pode ter agregado decepção e arrependimento para os clientes que participaram. Basta imaginar que além de lamentar a derrota no futebol ainda terão que lamentar a perca do benefício oferecido na promoção.

Dare to be Neymar Jr. #riskeverything

"Ouse ser Neymar Jr. Ouse Ser Brasileiro"
Apelativo? Oportunista? Análises e críticas que fiquem para depois, só pelo título já se tem certeza do sucesso que esse post feito pela Nike em suas redes sociais vai alcançar. E que fique para todos a mensagem: “vamos jogar do nosso jeito”(We will play our way)

(fonte: facebook.com/nike)

3 de fev de 2014

A ordem é se cuidar na internet

OAB Goiás divulga uma cartilha simples mas sobre um tema atual e de grande importância. São 10 dicas para você se cuidar na internet.
O arquivo é um PDF que está disponível para visualizar e baixar no portal da OAB/GO (clique aqui para acessar a cartilha).
O material se destaca pela linguagem utilizada que se apropria de expressões e abreviações comuns na rede além das informações interessantes.

"
A internet é um espaço público, por isso é
importante ter muito cuidado com o que vc
faz na rede. Várias leis estão sendo atualizadas
e, hoje em dia, muita coisa que antes poderia
ser apenas uma brincadeira já é considerada
crime virtual."


10 mitos sobre marketing jurídico

Artigo escrito por Tércio Strutzel para o jornal.jurid.com.br divulgado no portal da OAB/GO.

"ainda é notória a existência de paradigmas equivocados, preconceitos e incertezas acerca do Marketing Jurídico. Este artigo carrega a missão de lançar alguma luz sobre as principais dúvidas ainda persistentes entre alguns advogados. "

26 de set de 2013

Alô Ministro Celso: não é “mass media”; mas “social media” (blog do Tas)

(Imagem: Arte do Blog do Tas sobre foto de Fellipe Sampaio/STF)
Marcelo Tas faz post em seu blog criticando uma entrevista do ministro do SFT para a Folha e comenta sobre a força de expressão conquistada através dos meios digitais e das midias sociais.
Na entrevista consedida à Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo, o ministro Celso de Mello afirma que "A liberdade de crítica da imprensa é sempre legítima. Mas às vezes é veiculada com base em fundamentos irracionais e inconsistentes" e que considerou ostensivo o comportamento dos meios de comunicação sociais: "Eu honestamente, em 45 anos de atuação na área jurídica, como membro do Ministério Público e juiz do STF, nunca presenciei um comportamento tão ostensivo dos meios de comunicação sociais buscando, na verdade, pressionar e virtualmente subjugar a consciência de um juiz."
Em seu blog o jornalista Marcelo Tas não perdeu tempo:  "Curiosamente, a faísca que potencializa tal pressão é a transparência que o próprio STF pratica, como por exemplo, ao transmitir pela TV Justiça, ao vivo, as sessões do julgamento do Mensalão. Já o combustível e motor da pressão é a revolução digital e as midias sociais, que “nunca antes na história desse planeta” deram tanta voz aos “cidadãos livres”, mencionados por Vossa Excelência."
Veja o post completo no Blog do Tas.